... o porquê do quê ...

Não entendia o meu facínio pelas aventuras de Peter Pan, eu que sempre fui extremamente feminina me encantava com o garoto que não queria crescer. Talvez hoje eu entenda tudo isso, acredito que algo dentro de mim já me avisava que crescer não seria a minha "praia". Não que eu tenha medo ou até mesmo preguiça de crescer, mas sim porque vemos o mundo de uma maneira real. Aprendemos oque eu jamais gostaria de ter aprendido, limitar nossos sonhos, ver que nem tudo é possível, ou melhor, que quase nada é, que felicidade é momentânea. E se descobre que os sonhos quase nunca deixam de ser sonhos ...

E por isso amo minha terra do nunca, onde as lembranças se tornam o meu presente e por alguns instantes posso acreditar que tudo pode acontecer ...

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Aprendiz de sonhadora

Sonhar, se existisse uma só palavra para definir minha vida sem dúvida seria esta, os sonhos fazem parte dos meus dias, constituem uma parte do meu ser. Sonho o tempo todo, durmo sonhando, acordo sonhando, passo o dia todo dividida entre estes meus dois mundinhos: minha terra do nunca e meu preciso mundo real.
Na terra nunca eu posso ser eu, posso sonhar, desejar, voar para onde eu quiser, ser livre de uma forma não existente no mundo real, onde devemos usar máscaras e sermos muitas vezes algo que não queremos ser.
Ser uma sonhadora não é tão fácil quanto parece , necessita de tempo, prática e até métodos, pois se não de sonhadora feliz me torno uma mera depressiva. Infelizmente com os obstáculos da vida aprendemos que até para nossos sonhos existem limites e aprendemos a limitá-los, mas isso não significa não sonhar e sim aprender a sonhar.
Podemos dizer que sou uma aprendiz de sonhadora, e aprender isso é complicado, pois quem me ensina a sonhar é a própria vida e tendo uma imaginação tão fértil e confiante como a minha é difícil limitar certos desejos.
Hoje vejo que nos nossos sonhos deve existe um só protagonista, nos mesmos, não podemos desejar que outra pessoa deseje o mesmo que nos desejamos. Mas felicidade não é feita sozinha, ai nós deparamos com um problema que demorei a resolver, como eu sonho com alguém se não pode ter ninguém?
Com o tempo eu fui vendo que o alguém pode existir, ele só não pode ter um nome único, pensar que é aquele ou não é nenhum. O mais difícil para mim foi reconhecer que somos donos do nosso próprio destino e não da pessoa que amamos. Príncipes encantados existem, acredito neles, todos merecem achar a sua metade, o problema é que somos afobados e o "achei" sem "achar" complica nossos corações. A vida é cheia de armadilhas e aprendizados e muitas vezes aquela pessoa, não é Aquela pessoa.
Hoje sei disso muito bem, fui pega nesta armadilha, quem eu acreditava ser meu príncipe definitivamente não era o meu príncipe e jamais poderia ser. Porém devemos ver que nada deste mundo é em vão, devemos acreditar em Deus, ele não foi o meu príncipe, mas foi essencial para eu poder encontrá-lo, só se sabe o que é bom quando se conhece o ruim, hoje sei o que eu quero, o que me fará feliz de verdade.
Devemos ir longe com os nossos pensamentos, eu vou um pouco além do longe confesso, sonho com tudo, desde me formar na profissão que amo, como mergulhar numa gigantesca vasilha de chocolate, ganhar na mega sena acumula em milhões, andar de patins numa estrada imensa, pular do lugar mais alto que eu possa imaginar, conhecer o mundo, casar na igreja em que minha mãe casou...
Hoje sonho com a intensidade que sempre sonhei, não saberia viver de outra forma, mas aprendi muito e com este aprendizado consigo fazer que eles não se tornem pesadelos. Sonhar enche minha vida de vida, acalma meu coração, enchem meus olhos de lágrimas, eu me emociono a cada sonho novo , é tão bom poder fechar os olhos e em segundos estar em lugares que nunca fui e que nem sei se existem.
Sou uma aprendiz de sonhadora e quanto mais eu aprendo, mas vejo como sonhar é prazeroso e importante, mas concretizar-los também é, para que possamos continuar a acreditar em nossos sonhos. Sonhar não é só imaginar é também lutar para que eles se tornem realidade e para mim é fazê-lo migrar da terra do nunca para o mundo real.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Datas me comovem ...

Se na Terra do Nunca do Peter Pan o Capitão Gancho mandou destruir todos os relógios, na minha eu destruiria todos os calendários. Datas mexem comigo de uma maneira surpreendente e perturbadora. Quando chega o aniversário de uma data marcante, mesmo que esta já esteja superada, eu me sinto como no dia que aconteceu, como se flashbacks acontecessem de uma forma repentina que chega a ser insuportável. Só de fechar os olhos eu revivo tudo, eu sinto na pele, eu sinto o cheiro, é como se eu voltasse para aqueles momentos, sinto a mesma dor, tudo novamente, fico sem ar, é incrível como minha memória que geralmente é péssima consegue resgatar cada detalhe do momento, cada olhar, cada lágrima, cada palavra...
Eu me emociono em datas como esta que vivo hoje, me sinto tão estranha, pensar que já se passaram um ano que tive o pior dia da minha vida, pensar e sentir o tanto que sofri, como se aquele passado fosse tão presente e que hoje na verdade é tão ausente. E estranho pensar que á 365 dias atrás eu queria morrer, queria de verdade, olhava pra mim e não queria mais ser eu, eu não sabia quem era eu. Em pensar que eu não estaria aqui, sendo que hoje eu quero viver com tanta intensidade, aí vejo como desejamos coisas idiotas, como eu pude ser feliz e descobrir coisas tão boas de mim mesma.
Talvez as pessoas não entendam estes dias ruins, talvez elas achem que isso é uma superação mal realizada, mas não é, eu só me permito sentir, não tenho vergonha de admitir que pessoas e sentimentos nunca morrem apenas adormecem para que possamos viver novas experiências, novos amores e porque não novas dores, já que elas são as que mais nos ensinam.
Dias como o de hoje marcam um fechamento e uma abertura , quando uma última página é escrita e uma história se acaba naquele mundo real, vidas se separaram, e nos fazem seguir adiante.
Hoje fecho os meus olhos e sinto o calor de uma respiração, um toque de uma mão, um adeus dado com tanta dor, lembrar-me de tudo isso é como explosão de sentimentos bons e ruins, me fascina ver como o ser humano pode sentir tantas coisas ao mesmo tempo, como podemos amar, odiar, desejar. Sentimentos opostos juntos em um só.... Eu não me nego isso, apesar de odiar calendários, já que não posso destruí-los eu os vivo, algumas pessoas podem chamar isso de "curtir fossa", mas eu chamo de aceitar meus sentimentos, aceitar esta dor da lembrança de algo que passou.
Mas nunca se esquecendo que tudo tem sua hora, hoje eu me permiti viver cada momento da pior data que já existiu na minha vida, o meu peito dói, meu coração aperta e minhas lágrimas caem sem eu sentir, eu queria gritar com tanta força, mas não sai voz, ninguém me escuta. Hoje me sinto assim, sozinha, triste, porém amanhã viro mais esta página, e não as jogo fora, as deixo aqui dentro, quardadinha, pois foi desta história que peguei os maiores ensinamentos da nova história que escrevo hoje... Datas me comovem... E me fazem ver como o meu passado foi sincero, como o meu presente é único e como o meu futuro pode ser melhor ainda.