... o porquê do quê ...

Não entendia o meu facínio pelas aventuras de Peter Pan, eu que sempre fui extremamente feminina me encantava com o garoto que não queria crescer. Talvez hoje eu entenda tudo isso, acredito que algo dentro de mim já me avisava que crescer não seria a minha "praia". Não que eu tenha medo ou até mesmo preguiça de crescer, mas sim porque vemos o mundo de uma maneira real. Aprendemos oque eu jamais gostaria de ter aprendido, limitar nossos sonhos, ver que nem tudo é possível, ou melhor, que quase nada é, que felicidade é momentânea. E se descobre que os sonhos quase nunca deixam de ser sonhos ...

E por isso amo minha terra do nunca, onde as lembranças se tornam o meu presente e por alguns instantes posso acreditar que tudo pode acontecer ...

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Livre para pode voar

Um dia a vida me mostrou que ninguém é de ninguém, que momentos são eternos, mas que as pessoas não. Um dia a vida me mostrou que apesar do amor ser eterno nem sempre ele é presente, que quem ama de verdade não deseja estar com a pessoa para sempre, mas sim que ela seja feliz eternamente. Um dia a vida me mostrou que temos que ser fortes e devemos enxergar as coisas como elas são e não como elas eram, o desejo do reviver não é como um filme de amor, que assistimos novamente sem alterações, o reviver na vida encontra-se dentro de nos, em nossos corações, é ele que nos sufoca, que faz o nosso peito se sentir apertado, ele é responsável quando associamos cheiros a momentos vividos. A verdade é que por mais que o tempo passe o que é sincero sempre ficará guardado. O amor eterno pode não ser eterno na vida, mas é como chama dentro nos. Mas a vida não é feito de chama, a vida é feita de fatos e nos meus fatos este amor não existe mais, como se aquela pessoa não fosse a mesma pessoa. A vontade de abrir os braços para mundo é algo tão surpreendente que chega a ser fascinante. E por isso eu o deixei voar como um passarinho que a gente cuidou e amou por tanto tempo, mas tê-lo por perto não fazia bem e estar por perto muito menos. A maturidade vem com as tragédias da vida, ela nos faz sofrer, mas se faz necessária também, nos faz entender que se privar a ser feliz é como um suicídio em vida. E assim que eu me sentia, como se eu tivesse morta, o coração batendo fraco, os dias em preto e branco, e por mais que ter aquele alguém por perto fosse o que achava que eu queria, eu descobri que tinha algo melhor: ser feliz e deixa-lo ser feliz. E é por isso eu dei asas para um sapo, que já foi príncipe, lobo mau , mas que agora é apenas um passarinho. Que ele se encontre e jamais me encontre, a nossa historia sempre será eterna, pois a eternidade dos sentimentos são as coisas mais preciosas do mundo, porém tentar reescrever uma historia que já se eternizou seria como acreditar em uma terra do nunca. Hoje caminho ao invés de voar, como se fôssemos céu e terra, vou caminhando em busca de novos sonhos, novas histórias, e um novo príncipe. A maturidade pode ate ter chegado em mim, mas eu jamais vou chegar até ela , sempre vou me jogar, amar e sonhar com minha terra do nunca, onde os sonhos não sonhos e a realidade é um mero detalhe!